Texto para análise: As minas gordas

paxp-deije2

Se tua opinião fosse um halls eu até aceitava

Unha encravada? Emagrece que melhora

Parece piada, mas ser uma pessoa gorda e ir ao médico é basicamente isso: qualquer questão que você apresente, o médico primeiramente te manda emagrecer.
Essa conduta de muitos médicos acaba negligenciado pacientes. Em diversas conversas que tive com outras mulheres gordas, os relatos são sempre muito parecidos.
Uma amiga custou a descobrir sobre um câncer na região dos ossos do quadril porque os médicos insistiam que, toda aquela dor que ela sentia era única e exclusivamente relacionada ao seu peso.
Quando a luciana moraes foi ao cardiologista, o mesmo disse que ela morreria em breve, sem nem ao menos checar seus exames. Receitou um remédio para ela emagrecer (e lembre-se, não tinha visto exame nenhum dela até então). Quando Luci chegou em casa, uma FARMÁCIA ligou, dizendo que o remédio estava pronto e custava 650 reais. Vc pediu algum remédio naquela farmácia? Pois, ela também não. Luci não tomou os remédios, os exames dela estavam ótimos e ela passa bem, obrigada.
Eu mesma tenho diversas histórias assim para contar. Teve o ginecologista que ignorou minha vontade de trocar de anticoncepcional e me receitou anfetaminas aos 16 anos (que desencadeou um difícil processo depressivo). Teve o cardiologista que também me disse que eu ia morrer, e teve que engolir minha função pulmonar maravilhosa e meu coração firme e forte.

Diabetes? Obviamente é culpa do seu peso, eles dizem. Será que é mesmo?
Encarar o peso de um indivíduo como causa e não como consequência de algumas questões, ou mesmo partir do pressuposto de que aquele corpo gordo é doente apenas por não ser um corpo magro, mascara a possibilidade de um diagnóstico fiel e real.

É um problema comum no meio biomédico: entender saúde e qualidade de vida de maneira medicalizada, onde a visão bioestatística e econimicista prevalecem. A maioria dos estudos são funcionalistas e focados no custo-efetividade. São tantas variáveis envolvidas no que vem a ser qualidade de vida que se torna raso dizer que uma pessoa com qualquer doença crônica não pode ser saudável. É essa visão de que saúde é a ausência de doenças, cristalizada na imensa maioria dos médicos que torna os atendimentos tão ruins. Dentro dessa visão, onde o conceito de qualidade de vida é completamente deturpado, vemos o crescente aumento de cirurgias bariátricas realizadas.

Na contramão desse pensamento, temos profissionais no campo da Nutrição propondo que saúde não está no comer menos, mas no comer melhor. Estudos sobre como o IMC não é um marcador de saúde, ou sobre como um corpo gordo com boa alimentação e prática de exercícios é similar cardiometabolicamente à um corpo magro nas mesmas condições (e o mesmo se aplica à um corpo gordo e um magro em situação de sedentarismo).

Nosso direito à saúde (inclusive mental) não deve ser cerceado por conta de nossa conformação corporal. A prática de exercícios e uma boa alimentação não devem ser limitadas ou focadas na perda de peso, mas sim com o bom funcionamento do nosso corpo.

E, acima de tudo: não devemos justificativas sobre nossa saúde à ninguém.

Anúncios

, , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: